sábado, 4 de junho de 2016

Secas


Uma das coisas que mais prezo é a confiança depositada em mim e, aquela que deposito gradualmente nas pessoas. Confiar é um ato de entrega, pois nesse ato armas são abaixadas, cercas são derrubadas e pontes são construídas. Quando a confiança se enraíza, as defesas tornam-se quase inexistentes e os caminhos que levam até a outra pessoa tornam-se sólidos e planos.
É bom ter em quem confiar. É necessário ter uma ponto de apoio, perto ou distante, que ouve, compreende, participa, se solidariza.
Confiança é uma troca de verdades e não pode haver outro elemento que não seja a verdade de um encontrando-se com a verdade de outro.
A família se sustenta nela, os casais encontram nela o motivo para seguir juntos, as amizades construídas ao longo do tempo se aprimoram nela também.
São os altos e baixos da vida que vão colocando à prova os envolvidos e vão revelando o quão verdadeiro é o compromisso que entre si fazem aqueles que se dispõem a confiar.
Uma plantinha cresce quando é cuidada, tendo o substrato, a água e o sol. Não se pode deixar de cultivar, não se pode deixar faltar, não se pode exagerar nem na terra, nem na água, nem no sol.
Qual é a medida, então? É a da entrega, da verdade e da reciprocidade.
O ato de confiar só é reciproco se alimentado na generosidade. Não há espaço para migalhas. Os medíocres não serão parceiros, pois querem fartar-se sem oferecer.
A certeza de que a planta crescerá faz com que a cada dia a água seja derramada, a terra seja revirada e até os galhos sejam aparados. O corte é necessário sim, mesmo que aparentemente maltrate a árvore.
Minguam-se as plantas quando o terreno não permite lançar raízes. Perdem-se as plantas quando parasitas oportunistas embrenham-se entre os ramos e falta a destreza para podar. Secam-se as árvores quando a chuva deixa de cair e o sol, impiedoso, debruça-se sobre elas.
Na natureza, espera-se pacientemente pela nova chuva, que renova tudo, traz novas folhas e promete novo ciclo. A fertilidade, latente, espera o momento para o novo ciclo, mais belo que o anterior.
Nas relações de confiança, alimenta-se da entrega gratuita, despretensiosa e, muitas vezes, até lúdica.

A foto de referência e o nome dessa postagem faz ilustra a seca, fruto da ausência de água, ou da pouca profundidade do solo, ou ainda do excesso de sol. Por outro lado, os galhos e a terra ressequida, estão preparados e esperançosos. Basta vir a água para que eles se entreguem na explosão transformadora de vida. 
No Vale do Jequitinhonha, Minas Gerais.

sábado, 16 de abril de 2016